quinta-feira, 19 de abril de 2018

POR QUE 19 DE ABRIL VIROU DIA DO ÍNDIO



Dia do Índio
A data foi oficializada em 1943 pelo presidente Getúlio Vargas, após muita insistência do descendente indígena Marechal Rondon e três anos depois da instituição do dia comemorativo em um congresso realizado no México.

O dia 19 de abril é conhecido no Brasil todo como o "dia do índio", e essa data não foi escolhida à toa. Sua origem remete a um protesto dos povos indígenas do continente americano ainda na década de 1940, quando um congresso organizado no México se propôs a debater medidas para proteger os índios no território. O Congresso Indigenista Intramericano, realizado em Patzcuaro, aconteceu entre os dias 14 e 24 de abril de 1940.
Em princípio, os representantes indígenas haviam se negado a participar do evento, achando que não teriam voz ou vez nas reuniões - que seriam comandadas por líderes políticos dos países participantes. Os índios, então, fizeram um boicote nos primeiros dias, mas, justamente no dia 19 de abril, decidiram aparecer no congresso para tomar parte nas discussões.
Foi por conta disso que a data escolhida para celebrar o dia do índio acabou sendo essa.
Eram 55 delegações oficiais no México. Das Américas, somente Paraguai, Haiti e Canadá ficaram de fora. Entre os índios, eram 47 representates dos povos de todo o continente - no caso do Brasil, o delegado enviado foi Edgar Roquette-Pinto, que não era índio, mas foi antropólogo, etnólogo e estudioso de povos indígenas da Serra do Norte, na Amazônia.
Com o fim do Congresso, foram definidas algumas medidas genéricas a serem tomadas em favor da defesa dos povos indígenas. Entre elas, estavam o "respeito à igualdade de direitos e oportunidades para todos os grupos da população da América", "respeito por valores positivos de sua identidade histórica e cultural a fim de melhorar situação econômica", "adoção do indigenismo como política de Estado", e, por último, estabelecer "o Dia do Aborígene Americano em 19 de abril".
Não foram todos os países que adotaram a data como dia de celebração da cultura indígena - e no Brasil ele também levou tempo a ser oficializado, já que o país não aderiu às deliberações do congresso.
Somente em 1943 foi instituído decreto-lei instituído pelo presidente Getúlio Vargas, que finalmente estabeleceu a data comemorativa. O responsável por convencê-lo foi o general Marechal Rondon - que tinha origem indígena por seus bisavós e chegou a criar, em 1910, o Serviço de Proteção ao Índio - que depois viria a se tornar a atual Funai (Fundação Nacional do Índio).
"O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, e tendo em vista que o Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, reunido no México, em 1940, propôs aos países da América a adoção da data de 19 de abril para o 'Dia do Índio', decreta:
Art. 1º - considerado - 'Dia do Índio' - a data de 19 de abril.
Art. 2º- Revogam-se as disposições em contrário", dizia o decreto.
Além do Brasil, Costa Rica e Argentina também adotaram a data. Do Congresso, saiu também a criação do Instituto Indigenista Intramericano, que se tornou um órgão vinculado à OEA (Organização dos Estados Americanos) em 1953. Depois dele, aconteceram mais 11 edições, sendo a última em 1999, na Cidade do México.

 

Situação dos índios no Brasil

Segundo o censo demográfico mais recente do IBGE, de 2010, existem 817,9 mil indígenas no Brasil de 305 etnias que falam 274 línguas diferentes. O número representar somente 10% do total de índios que existiam aqui em 1500, na época do descobrimento - segundo estimativa dos historiadores, o Brasil tinha milhões de habitantes (índios) à época.
Ainda assim, houve um crescimento da população indígena nos últimos anos, segundo os dados oficiais.
O censo de 2000 revelou crescimento expressivo do número de índios no país, passando de 294 mil para 734 mil em nove anos - segundo o instituto, esse aumento poderia ser explicado não só como efeito demográfico, mas também pelo aumento do número de pessoas que se reconheceram como parte da população indígena (principalmente dos que vivem em áreas urbanas).
Se, por um lado, a população vem aumentando, por outro a demarcação de terras indígenas tem estagnado.
Em julho de 2017, o presidente Michel Temer assinou um parecer polêmico sobre a o tema. Segundo o documento, os índios teriam direito às terras "desde que a área pretendida estivesse ocupada pelos indígenas na data da promulgação da Constituição Federal", o que correspondia a outubro de 1988.
Isso impediria que representantes indígenas reivindicassem terras que não estavam ocupadas por eles naquela época, 30 anos atrás.
Ainda no ano passado, houve outra grande polêmica com os indígenas quando Temer colocou na presidência da Funai o dentista e pastor evangélico Antônio Costa, pouco identificado com a luta pelos direitos dos índios. Ele acabou exonerado poucos meses depois por contrariar indicações do então Ministro Osmar Serraglio, representante da bancada ruralista na Câmara.
Atualmente, segundo a Funai, existem 462 terras indígenas regularizadas, que representam cerca de 12,2% do território nacional. Elas estão espalhadas por todo o país, mas com concentração maior na Amazônia.
FONTE: https://g1.globo.com/educacao/noticia/por-que-19-de-abril-virou-dia-do-indio.ghtml
 .

DIA D - Reflexão Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) foi homologada no dia 20 de dezembro de 2017. O documento define o que todos os alunos têm o direito de aprender e será referência para a (re)elaboração dos currículos em todas as redes e escolas do país. Para que a BNCC chegue às salas de aula, será preciso muito planejamento, diálogo e uma boa implementação.  Para fortalecimento desses diálogos, os profissionais da Escola Estadual “Abílio Caixeta de Queiroz” se reuniram no dia 18/04/2018 para conhecer e discutir a respeito da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Foi um momento de riquíssimos debates e reflexões e, momento propício para conhecer os mitos e verdades a respeito da nova BNCC que está disponível para download no site http://basenacionalcomum.mec.gov.br/.





















terça-feira, 17 de abril de 2018

PROJETO: A SOCIEDADE QUE QUEREMOS


O projeto A Sociedade que Queremos foi desenvolvido pela professora Luciana Teixeira juntamente com os alunos do Ensino Médio e, foi apresentado aos alunos do Ensino Fundamental bem como toda a comunidade escolar.


O projeto teve como objetivo evidenciar a realidade crítica econômica, política e social da sociedade brasileira em que estamos vivendo no século XXI como as desigualdades sociais, intolerância as minorias ,corrupção etc. Os alunos idealizaram e ao mesmo tempo criticaram sociedades alternativas como por exemplo de bem estar social e no lugar das sociedades que não cumprem com o dever democrático, político e econômico eles criaram criticando outras sociedades para estar resolvendo tais problemas.
































POR QUE 19 DE ABRIL VIROU DIA DO ÍNDIO

A data foi oficializada em 1943 pelo presidente Getúlio Vargas, após muita insistência do descendente indígena Marechal Rondon e t...