sexta-feira, 10 de abril de 2015

Educação Infantil - Como contribuir com esta importante fase de formação da criança.

A partir de hoje em nosso blog vai dar dicas importantes DICAS para contribuir na formação de seu filho(a). 


DESENVOLVIMENTO

A importância da arte para as crianças pequenas

Desenhar, pintar com os dedos, brincar com massinha ajudam (e muito) no desenvolvimento das crianças.

Uma criança que desenha 15 minutos por dia chega à escrita mais facilmente.
Imagem:Site Educar para Crescer

Toda criança gosta de desenhar, certo? Com lápis de cor, tinta guache ou na areia, os pequenos de todos os países, épocas e classes sociais desenham suas casas, famílias e plantas, e, depois, mostram o resultado, orgulhosos, mesmo que sejam apenas alguns rabiscos. Desenhar é uma característica importante do ser humano. Tudo começou na época em que o homem vivia nas cavernas e passou a desenhar nas paredes os animais e as atividades que faziam parte de sua vida. "Indo ou não à escola, é natural que uma criança desenhe, porque o desenho já existia antes mesmo da criação da escola", explica a neurocientista e antropóloga Elvira Souza Lima.

As crianças que vivem em tribos e até mesmo as que tem deficiências visuais desenham, já que fazer traços com um lápis ou com o dedo e um pouco de tinta estimula o tato. Elvira Souza Lima afirma que mesmo que o desenho pareça um rabisco, para a criança, é uma narrativa, uma forma de contar uma história. Além disso, o movimento que as mãos e braços fazem ao desenhar são muito importantes para treinar o corpo e o cérebro para a próxima etapa: escrever.

A escrita nada mais é do que desenhar letras e juntá-las em palavras para criar significados. "Para escrever, usamos 21 áreas do cérebro, e algumas delas são desenvolvidas com o desenho", afirma Elvira. "Uma criança que desenha por 15 minutos todos os dias chega às letras naturalmente, já que o movimento para fazer uma letra de mão (letra cursiva) ou de forma (letra bastão) vem do desenho", ela diz.

Assim, uma criança que desenha bastante pode evitar dificuldades com a caligrafia quando estiver aprendendo a escrever. Mas Elvira alerta que as crianças não precisam parar de desenhar para aprender a escrever. As duas atividades podem continuar lado a lado. Ela destaca que, para desenvolver os movimentos que ajudam na escrita, a melhor escolha é o desenho livre. Ligar pontos, preencher ou colorir desenhos prontos é divertido e pode fazer parte das brincadeiras das crianças, mas é importante que ela treine seus próprios traços livres, com retas e curvas.

Brincar com massinha de modelar, argila e criar esculturas com sucata também é importante, pois ajuda a desenvolver a noção de espaço e profundidade. Elvira sugere que, pelo menos uma vez por semana, a criança brinque com algo relacionado à geometria espacial, como fazer castelinhos com bloquinhos de madeira ou montar cenários com caixas de sapato para a historinha de seus bonecos.

No Colégio Hugo Sarmento, em São Paulo, as artes plásticas, como desenho, pintura e escultura, fazem parte do currículo desde a Educação Infantil até o Ensino Médio. Segundo Patrícia Vasconcellos e Rosana Nunes, coordenadoras da Educação Infantil e do Ensino Fundamental I do colégio, as expressões artísticas de diversas culturas, como arte indígena, africana e grega, são destacadas. A vida e a obra dos artistas também despertam interesse nos alunos e inspiram suas próprias produções.

"A arte, ao longo da vida estudantil, tem um papel fundamental na construção de um indivíduo crítico, fornecendo-lhe experiências que o ajudem a refletir, desenvolver valores, sentimentos, emoções e uma visão questionadora do mundo que o cerca", afirmam as coordenadoras.

Já a artista e educadora Stela Barbieri destaca: "Para as crianças não existe separação em os campos da arte, como música e pintura. Elas percebem o mundo com todos os sentidos". Para ela, que é assessora de artes da escola Vera Cruz, em São Paulo, e foi curadora das ações educativas da Bienal de Arte de São Paulo, a relação da criança com a arte não acontece apenas na escola. Ela explica que a criança participa de situações em que a relação com a arte acontece naturalmente, como conhecer as texturas em uma feira e os aromas na cozinha, ou brincar no quintal. "O contato com a arte não precisa ser apenas escolarizado", diz.

Como seu filho pode explorar as artes plásticas em cada idade:

DE ZERO À DOIS ANOS

O desenho é um processo natural da espécie humana, mas não adianta tentar apressá-lo. Nessa fase o bebê ainda não desenvolveu a visão e a coordenação motora suficientemente para desenhar. No entanto, os pais podem desenhar para a criança e explicar os significados a ela, já que o contexto é importante para atrair sua atenção. Tenha lápis e giz de cera mais gordinhos em casa para quando seu filhote começar a mostrar a vontade de desenhar. Tenha cuidado com objetos pequenos e pontiagudos e tenha apenas materiais atóxicos.

DE TRÊS À SEIS ANOS 

Essa é a fase em o desenho é mais importante para as crianças. A diversidade de materiais é muito importante. Tenha em casa vários tipos de papeis, de vários tamanhos, cores, formatos e texturas. Papeis grandes, no formato A3, dão maior possibilidade de movimento para as mãozinhas. O papel craft (ou pardo) tem textura diferente, mais áspera, e pode ser pendurado na parede. O lápis de cor é prático e faz menos sujeira, mas é duro. Materiais mais maleáveis, como aquarela, tinta guache, pincéis ou mesmo pintura com os dedos permitem movimentos diferentes e devem ser mais usados. Desenhar em suportes diferentes, como areia, terra ou tecido também ajuda a treinar os movimentos. Fazer colagens com sementes, pequenos galhos e folhas secas pode ser muito divertido e coloca a criança em contato com a natureza. Massinha de modelar, argila podem render esculturas que serão boas lembranças. Ao fazer brinquedos de sucata com seu filho, aproveite para explicar a importância da reciclagem para o meio ambiente.

A PARTIR DE SEIS ANOS

Quando a criança é alfabetizada, vai usar tudo o que aprendeu com os desenhos para escrever as letras. Mas ela não precisa e nem deve parar de desenhar. Os desenhos agora ganham outro significado. A criança pode ouvir uma música ou ler um livro sem ilustrações e, em seguida, fazer desenhos para mostrar como imagina os personagens e os cenários. Ela também pode ter um caderninho de desenho, onde cria suas próprias histórias, personagens ou histórias em quadrinhos.


Informações Retiradas no Site: Educar para Crescer

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita.